II Congresso de Oncologia da Afecc-Hospital Santa Rita reuniu mais de 1.000 part …

II Congresso de Oncologia da Afecc-Hospital Santa Rita reuniu mais de 1.000 part …

Foram três dias de muita ciência e aprendizado

Médicos, enfermeiros, dentistas, psicólogos, assistentes sociais e demais profissionais da saúde ligados ao tratamento do câncer, bem como estudantes de medicina e de áreas afins compareceram ao II Congresso de Oncologia da Afecc-Hospital Santa Rita, que reuniu 1.026 participantes, no Centro de Convenções de Vitória, de 1 a 3 de setembro.

Foram três dias com mais de 120 temas em debate, distribuídos em 23 mesas-redondas, seis conferências, dois simpósios e uma oficina sobre o controle do estresse como forma de melhorar a saúde. Participaram do evento palestrantes e debatedores com atuação nas principais instituições de saúde do Brasil e do exterior. Profissionais dos mais variados serviços de saúde do estado compareceram ao evento. Os avanços tecnológicos foram, inclusive, o ponto alto do Congresso.

Entre os temas ligados à inovação e tecnologia, “Metaverso e Realidade Aumentada” foi o mais futurista em debate. O cirurgião geral e especialista em procedimentos robóticos, Dr. Fernando de Barros (RJ), mostrou, por meio de vídeos, como esse chamado “mundo do espelho” já está sendo usado na medicina e está despontando como o grande diferencial na área da saúde, com realidades digitais alternativas interagindo com as equipes médicas.

Ainda no tema inovação, o médico Dr. Cauê Gasparotto (SP) falou sobre sua experiência com atividades e serviços inovadores. No ano de 2018, por exemplo, ele participou, como estudante na Harvard Medical School (EUA), de pesquisas que utilizavam inteligência artificial e análise de dados voltadas para o entendimento, classificação e desenvolvimento de tratamento de doenças cardiovasculares. Ainda nos EUA, fez parte de um grupo de desenvolvimento de tecnologias e inovações para o setor de saúde dentro do Massachusetts Institute of Technology (MIT).

 

ROBÓTICA NO TRATAMENTO DO CÂNCER – A evolução no tratamento oncológico, com as atuais plataformas robóticas e o futuro delas, foi outra das novidades debatidas no primeiro dia do Congresso. O especialista Fernando de Barros (RJ) também abordou a revolução que a medicina robótica vem promovendo no mundo.

E no que se refere ao tratamento do câncer gástrico e de esôfago, o conceituado cirurgião oncológico e robótico Fernando Ernesto Cruz Felippe, médico no Hospital de Câncer de Barretos (SP), falou sobre as novidades da área. Já a evolução no tratamento cirúrgico do câncer de mama e as perspectivas para o futuro foram abordadas pela cirurgiã oncológica, mastologista e diretora do Centro de Mama do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (RJ), Dra. Sandra Gioia.

E os avanços no tratamento do câncer de pâncreas, incluído os procedimentos robóticos, foi outro tema ligado à inovação debatido pelo cirurgião geral e oncologista Rafael Albagli (RJ).

 

ESTATÍSTICAS E AVANÇOS – As estatísticas, os avanços e o acesso ao tratamento do câncer foram a tônica do segundo dia de debates do II Congresso de Oncologia da Afecc-Hospital Santa Rita.  Entre os temas do dia estavam os relacionados ao câncer de boca e de orofaringe, à epidemiologia do câncer no Espírito Santo, à toxidade gastrointestinal – efeito adverso no tratamento oncológico, à estratégia para a preservação da fertilidade no câncer ginecológico, entre outros.

Nas apresentações e debates também foram abordados a reabilitação do paciente laringectomizado, a evolução da cirurgia minimamente invasiva no câncer ginecológico e o controle do estresse como forma de melhorar a saúde. Este último tema foi abordado na Oficina (DES)estresse, realizado como parte do Seminário de Voluntários da Afecc, que compôs a programação do Congresso. A oficina foi aplicada pela médica Regina Chamon (SP).

CÂNCER DE OROFARINGE – O avanço do câncer de orofaringe, em função da incidência da infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV), foi um dos temas debatidos no III Simpósio de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, realizado junto com o II Congresso de Oncologia da Afecc-Hospital Santa Rita. Grande número de casos está ocorrendo em pacientes mais jovens, de ambos os sexos, devido à prática de sexo oral desprotegido e de relações sexuais com múltiplos parceiros.

As formas de tratar esse tipo de câncer, as mutilações causadas pelo tratamento em fase tardia (quando o paciente procura o médico em fase avançada da doença), foram abordados pelos especialistas Dr. José Roberto de Podestá (ES) e Dr. Marco Kulcsar (SP).

Dr. Podestá falou, para um auditório com muitos cirurgiões dentistas, sobre a importância deles na identificação de lesões potencialmente cancerígenas. Ele apresentou imagens e discorreu sobre formas de identificar essas lesões. Segundo o médico, lesões superficiais e pequenas, com até dois centímetros e quando descobertas no início, têm chances de cura que chegam a 95%. Os casos mais graves, com lesões acima de quatro centímetros, são bem mais difíceis de tratar e as chances de cura caem consideravelmente.

O médico que atua no Hospital Santa Rita, unidade de referência no Espírito Santo para o tratamento de câncer, disse que os casos gerais de câncer de cabeça e pescoço estão avançando e que os novos arranjos de gestão do Estado, até o momento, comprometem ainda mais a situação. “Boa parte dos pacientes ainda chega em estágio avançado da doença”, disse Dr. José Roberto de Podestá.

Já o câncer de orofaringe foi abordado por Dr. Marco Kulcsar que também ressaltou a importância de manter a atenção para os primeiros sinais da doença e de o paciente ser encaminhado, o mais precocemente possível, ao especialista em cirurgia de cabeça e pescoço. “Cada doente é único e precisa ter o tratamento voltado para o seu caso específico”, ressaltou Kulcsar.

Dr. Kulcsar abordou o câncer na orofaringe, também para esse auditório com muitos profissionais de áreas afins e agentes de saúde, alertando, também para a importância do diagnóstico precoce. O Presidente da SBCCP considerou muito positivo o fato de o Simpósio ter reunido agentes de saúde, dentistas e demais profissionais que atuam na prevenção e na detecção do câncer de cabeça e pescoço. “Com essa disseminação a gente orienta o que é o câncer nessa região do corpo e ajuda a diagnosticar a doença cada vez mais precocemente. Dessa forma, conseguimos, inclusive, reduzir os custos do tratamento”, avaliou Kulcsar.

A importância da detecção precoce do câncer foi tema também da fonoaudióloga Willene Zorzaneli, que apresentou um estudo sobre o custo do tratamento em pacientes em estágios iniciais e mais avançados do câncer de cabeça e pescoço. Em média, segundo ela, os casos mais leves podem custar para o Estado cerca de R$ 15 mil e os mais avançados podem superar os R$ 113 mil.

 

RECUPERAÇÃO DA VOZ – O paciente que teve câncer de laringe e comprometeu ou retirou as cordas vocais tem condições de voltar a falar. A voz ficará bastante modificada, mas o paciente conseguirá se comunicar verbalmente.

Dependendo do tipo de tratamento e das condições clínicas do paciente, a reabilitação é feita por meio da voz esofágica, que é uma técnica que utiliza os tecidos naturais do corpo como a nova origem da voz, fazendo com que a pessoa deglute pequenas quantidades de ar a utilize para produzir a voz.

A fonoaudióloga Kadygie Milli Martins (ES), que atua na reabilitação de pacientes laringectomizados no maior complexo oncológico do Espírito Santo, o Hospital Santa Rita, abordou esse tema. Em seu trabalho diário com pacientes laringectomizados, Kadygie possui inúmeros casos de sucesso.

Prova de que a reabilitação da fala é possível, a Afecc -Hospital Santa Rita possui o Coral dos Laringectomizados, formado por pacientes e ex pacientes do Hospital. Parte dos integrantes desse coral se apresentou, na manhã de ontem, na abertura do Congresso, ocasião em cantaram conhecidas músicas brasileiras.

TOXIDADE GASTROINTESTINAL – Doutora em nutrição oncológica, a nutricionista Olívia Galvão de Podestá (ES), abordou os efeitos adversos que o tratamento oncológico pode apresentar no trato gastrointestinal e mostrou as alternativas de alimentação para que o paciente consiga se alimentar e fique mais apto e confortável durante e pós-tratamento.

ROBÓTICA – Os procedimentos cirúrgicos realizados por meio de plataformas robóticas voltaram ao debate no segundo dia de Congresso. Entre os temas debatidos, a evolução da cirurgia minimamente invasiva no câncer ginecológico ganhou destaque, já que a robótica foi o mais importante avanço na área da cirurgia minimamente invasiva, por proporcionar acesso a procedimentos de alta complexidade, como no câncer ginecológico.

A plataforma robótica permite ao cirurgião mais precisão, por proporcionar visão 3D, maior estabilidade para os movimentos das pinças e materiais cirúrgicos, além de dar ao paciente a possibilidade de recuperação mais rápida e o retorno a suas atividades normais em menor tempo.

O cirurgião oncológico e especialista em cirurgia robótica Dr. Reitan Ribeiro (PR) foi quem abordou esse tema. Ele também falou sobre preservação da fertilidade no câncer ginecológico. Dr. Reitan abordou o papel do cirurgião e a ginecologista Dra. Izabela Rangel (ES) deu a visão do ginecologista na estratégia para a preservação da fertilidade no câncer ginecológico.

A infertilidade é uma das consequências do tratamento do câncer, mas existem alternativas para a preservação da fertilidade. Novas técnicas têm proporcionado esperanças para preservar ou recuperar a fertilidade em meninas e mulheres que são submetidas a tratamentos oncológicos.

Entre as novas técnicas estão o congelamento de embriões, de tecido ovariano, de óvulos e a transposição dos ovários em caso de radioterapia.

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER NO ES – Enfermeira Kátia Viana, analista do Registro Hospitalar de Câncer do Hospital Santa Rita e membro do Comitê de Ética em Pesquisa do HUCAM e do Conselho Municipal de Saúde de Vitória, explicou e apresentou as estimativas de casos de câncer no Brasil e no Espírito Santo.

De acordo com ela, os registros constantes no Sistema de Informação de Mortalidade fornecem os subsídios para monitorar e avaliar as ações de controle de câncer. E o Instituto Nacional de Câncer (Inca) oferta as estimativas de casos por ano. De posse desses números podem ser traçadas políticas de ações.

Pelas estimativas do Inca, para cada ano do triênio 2020-2022, surgirão 10.880 novos casos no Espírito Santo, sendo 5.550 em homens e 5.330 em mulheres.  Em Vitória, capital capixaba, a estimativa é de surgirem 780 novos casos (420 em homens e 360 em mulheres). Já no Brasil, a previsão chega a 685.960 novos casos, sendo 387.980 em homens e 297.980 em mulheres.

CONTROLE DO ESTRESSE COMO FORMA DE MELHORAR A SAÚDE – Quando queremos cuidar de nós mesmos, um dos fatores que dificulta é a ausência de tempo. Na correria do dia a dia, somos afetados por pequenas doses de estresse e, quando nos damos conta, já apresentamos sintomas que nem imaginávamos que poderiam ter sido causados pelo estresse.

Dra. Regina Chamon, hematologista, especialista em Medicina Integrativa e facilitadora de meditação (Unifesp e Escola Médica de Harvard), realizou a Oficina (DES)estresse, ocasião em que ensinou práticas de autocuidado que ajudam a amortecer o impacto do estresse, tornando o corpo e as emoções menos vulneráveis, auxiliando em condições de saúde e melhorando a qualidade de vida.

Dra. Regina Chamon tem como abordagem o controle do estresse como forma de melhorar a saúde. Ela entende que é possível cuidar de doenças e restabelecer a saúde por meio de práticas de bem-estar.

Durante a oficina foram abordados: O que é estresse? Como ele atua no corpo? Quais os sinais de que o estresse está afetando a pessoa? Técnica respiratória para promover o relaxamento. Estratégias de adaptação ao estresse e Técnica de meditação.

 

ÚLTIMO DIA DO CONGRESSO – No terceiro e último dia do II Congresso de Oncologia da Afecc – Hospital Santa Rita, os assuntos em pauta envolveram os relacionados a Tumores do Sistema Nervoso Central, Desafios no Tratamento Cirúrgico do Câncer de Pele Não Melanoma, A Importância da Cardio-Oncologia nos Dias Atuais e o Que Esperar do Futuro, Cuidados Paliativos e os Cuidados de Fim de Vida com Dignidade no Século XXI, Comunicação em Saúde, Lesões Pré-neoplásicas, Carcinoma Epidermoide na Face – desafios oncológicos, O Papel da Radioterapia, Lesões Melanocíticas, Melanoma em Cabeça e Pescoço: particularidades da conduta e acompanhamento oncológico, Fatores Associados à Morbimortalidade Cirúrgica, Abordagem da Medicina Intensiva no Pós-operatório, e Aspectos Nutricionais.

Distribuídas em três auditórios simultâneos, os debates foram realizados durante toda a manhã. De acordo com a Coordenadora Científica do Congresso, Dra. Ana Luiza Cardona Machado, foram dias de muita troca de experiência e que resultou em muito aprendizado para todos. “Esse Congresso reforçou a certeza de que o Espírito Santo tem total capacidade e condições de realizar eventos desse porte, com discussões de temas na vanguarda da medicina e com trocas de experiências importantes entre equipes multidisciplinares”, ressaltou.

O Diretor-Geral do Hospital Santa Rita, Marcos Dias Ayres, informa que a troca de conhecimento é fundamental para o crescimento científico e o Congresso agregou muito para a medicina capixaba. “Foram dias de muito network de altíssimo nível”, resume.

A Presidente da Afecc-Hospital Santa Rita, Marilucia Dalla, finaliza informando que o evento bateu recorde de participação. A meta era chegar a 600 inscrições, mas foram alcançadas 1.026. “Sem dúvida, um sucesso absoluto com total sensação de dever cumprido por ter entregado à comunidade científica capixaba um evento com palestrantes nacionais e internacionais! Vamos, agora, nos preparar para o III Congresso de Oncologia da Afecc-Hospital Santa Rita”, finaliza.

 

Veja algumas fotos do II Congresso de Oncologia da Afecc-Hospital Santa Rita

Confira mais fotos dos três dias de Congresso acessando os links abaixo. Fotógrafa: Elani Passos.

1º dia: https://drive.google.com/drive/mobile/folders/1aNp5ykGjA6pnyZDCTTKFVt4PZ7p1tzJW?usp=sharing

2º dia: https://drive.google.com/drive/mobile/folders/1l63QhyJfBBdZaSSAMo2BmOE5l7Nif9o2?usp=sharing

3º dia: https://drive.google.com/drive/mobile/folders/1jfIWvIHOustXmNfTZg60y8yute4zepJJ?usp=sharing

Artigos Relacionados

Noite de Massas da Afecc

Esse é um evento com tempero especial: reunião de pessoas com o intuito de somar a corrente de solidariedade da Afecc em prol dos pacientes

Ler mais